segunda-feira, 24 de novembro de 2008



Chorei me decepcionei, naufraguei nas lágrimas mais salgadas do mar mais calmo do planeta.
Desenhei esse amor,errei,apaguei,redesenhei,saiu errado, com borrões.
Uma desilusão minha.
As ondas do mar do amor.
Que engolem aqueles que amam por necessidade de amar
Tenho minhas armas, tenho meu brasão, tenho um coração bravo, e um amor escravo.
Da sua própria imperfeição.
Escravo teu, o teu mais nobre.
Fiel as tuas ilusões.
Decepções cabíveis a qualquer coração.
Que engrandecem os mais fortes cavaleiros.
Com armaduras a ouro, amor a prata e decepção a bronze.
Riqueza que poucos conhecem e todos a desejam.
Desejar é cobiçar, ter é se esforçar.
Conquistar é lutar, perder é machucar.


Paulinha & Nando

Um comentário:

Tereza disse...

"Quem nunca se entregou as ilusões de um 'amor'?... nem se perdeu nos lençóis da paixão... corações batendo neste mundo, todos sujeitos, em carne e situação, se for pra viver, que seja por amor, se for para amar que seja por v...!"

Siga nos teus passos garotinha!

Sansas